As Meninas da Vila Mariana e Você

Neste último mês, acompanhamos pela mídia as desventuras em série de um grupo de meninas acusadas de furtos e agressões na Vila Mariana, bairro de classe média da zona sul paulistana. No primeiro dia do mês, os jornais anunciaram que um “bando” de cerca de 20 crianças, a maioria meninas, estava “aterrorizando” a região. O Conselho de Segurança (Conseg) do bairro discutia a questão e lembrava que o grupo já havia sido detido em flagrante mais de 15 vezes. O Conselho Tutelar também já conhecia o caso e informava que a maioria das crianças seria da Cidade Tiradentes e de São Mateus, bairros pobres da zona leste. Mais ainda: o grupo seria composto por cerca de 30 crianças e atuaria havia três anos na Vila Mariana.

Onze dias depois, sete meninas deste grupo foram detidas novamente. Desta vez, a polícia informou que três eram menores de 12 anos e, por isso, foram encaminhadas para o Conselho Tutelar, como orienta o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), para serem reencaminhadas às próprias famílias ou a abrigos. As outras permaneceriam na delegacia aguardando a vinda de familiares ou poderiam ser direcionadas à Fundação Casa. A repercussão do caso na mídia teve resultado: as mães foram à delegacia reencontrar suas filhas. Estas mães têm de 26 a 33 anos e de 3 a 7 filhos cada uma.

Chegando à delegacia, as mães foram presas e indiciadas por abandono de incapaz, por ordem do delegado. As sete meninas, agora sem possibilidade de voltar para as casas, foram para abrigos. Mas, no dia seguinte, a Justiça as soltou, determinando que não deixassem a cidade e que comparecessem ao Conselho Tutelar da Cidade Tiradentes.

Mais uma semana e o grupo volta às manchetes. Desta vez porque a irmã mais velha de uma delas, de 17 anos, foi em busca da mais nova e a encontrou, de madrugada, em companhia de duas amigas. Todas haviam saído dos abrigos para onde foram encaminhadas (o termo “fugido” empregado pelos jornais não é adequado, já que os abrigos não são prisões). As meninas brigaram, alguém chamou a polícia, e lá foram as crianças para a delegacia novamente. A irmã relatou que a mais nova estava fora de casa havia dois meses.  A Vara da Infância e Juventude decidiu que as três meninas reencontradas terão que cumprir medidas socioeducativas, como serviços à comunidade, em liberdade assistida, acompanhadas por ONGs e Ministério Público Estadual, e terão que ir à escola,  conforme determina a lei.

Ainda não sabemos qual será o próximo capítulo desta série de desventuras, mas está claro que estamos longe de uma solução adequada, que promova a proteção, o cuidado, a saúde e a educação destas crianças. As várias instâncias responsáveis por isso não estão ausentes. Elas aparecem e atuam, mas, com a lógica fragmentada dos encaminhamentos, vem falhando sistematicamente: a família, a escola, os bairros (aquele onde as crianças nasceram e o outro, onde circulam), a polícia, o Conseg, o Conselho Tutelar, a Vara da Infância e Juventude, a Promotoria, a Justiça, os abrigos, a Fundação Casa. Diante disso, podemos nos indignar, mas nos sentimos impotentes.

No entanto, há algo que podemos fazer. A legislação prevê a nossa participação na constituição e no controle das instituições públicas responsáveis pela garantia dos direitos da criança e do adolescente. Se não participamos, elas acabam sendo tomadas por interesses privados e seus ocupantes não se sentem obrigados a nos prestar contas.

A mais importante destas instituições em casos como este é o Conselho Tutelar, criado com o ECA, há 21 anos. Órgão municipal autônomo, não subordinado ao Estado, é responsável por zelar pelos direitos da criança e do adolescente, sendo formado por membros eleitos pela comunidade para mandato de três anos. Em São Paulo, temos 44 conselhos tutelares, cada qual constituído por cinco membros. O Conselho Tutelar deve ser acionado sempre que se perceba abuso ou situações de risco contra a criança ou o adolescente. Cabe a ele aplicar medidas que zelem pela proteção dos direitos da criança e do adolescente. Para tanto, é evidente a necessidade de o Conselho trabalhar em parceria com a rede responsável pela garantia destes direitos e sempre em diálogo com as crianças e os adolescentes.

A próxima eleição dos conselheiros da capital paulista acontecerá por meio de voto secreto e direto nas respectivas zonas eleitorais nos dias 14, 15 e 16 de outubro. Informe-se no seu bairro quem são os candidatos apoiados pelas ONGs, escolas, postos de saúde, Vara da Infância e outras organizações da rede sociopedagógica e ajude a eleger alguém com o perfil adequado e com condições garantidas por esta rede para finalmente encerrar as desventuras em série das nossas crianças.

Moradores de outras cidades, informem-se quando será a próxima eleição do Conselho Tutelar de sua cidade.

Helena Singer

Helena Singer

Helena Singer, socióloga com pós-doutorado em Educação, é diretora pedagógica da Associação Cidade Escola Aprendiz.

Comente

   Os comentários serão publicados após aprovação. Comentários com ameaças, ofensas pessoais, pornografia infantil, conteúdos preconceituosos ou qualquer outro que viole a legislação em vigor no país serão excluídos.
   Todo e qualquer texto publicado por meio do sistema de comentários não reflete a opinião do Portal Aprendiz ou de seus autores.

(2) Comentários

  1. José Soró de Souza Queiroz disse:

    Há uma cultura ética largamente incrustrada nos organismos que deveriam cuidar de crianças e adolescentes em situação de risco. Esta cultura mescla omissão, perversidade, facismo. São pagos para cuidar e fazem uso deste lugar e recurso para piorar ainda mais a situação, vitimizando e criminalizando ainda mais. Sustentam uma campanha facista para esconder sua irresponsabilidade, apelando para mecanismos perigosos como o alto grau de psiquiatrização e medicalização destas crianças e jovens. Verifiquem quantas crianças abrigadas estão matriculadas em um tal Projeto Equilibrio: 5 minutos de consulta, diagnóstico e 3 ou quatro medicamentos diferentes chamados “kit chapação”. E aí centenas de educadores, coordenadores e técnicos orgulhosos por terem suas crianças participando do programa. Há muitos anos os abrigos e instituições asilares trabalham com uma regra “surda e muda” de não atender adolescentes, ou qualquer um que tenham envolvimento com as ruas, com droga ou criminalidade. Atualmente estas centenas, milhares de profissionais vem patrocinando a campanha para reduzir a idade penal, não mais para 16 anos e sim para qualquer idade. Exceto pelo crime hediondo de ocuparem o lugar e os recursos do cuidador e usarem desta condição para tornar ainda mais grave a situação da infancia e adolescência, não condeno suas opiniões. Neste mês inteiro, em nenhuma matéria ví questionarem a competência e responsabilidade de educadores, abrigos, conselheiros, juízes, promotores. Pelo contrário, todos aparecem “reclamando da dificuldade” Não poderia dar em outra coisa senão em prisão, prisão das mães, rebeliões ( estimuladas e assistidas ). Todos nós que trabalhamos na área da infância e adolescência sabem como “produzir uma rebelião”. Estes meninos e meninas estão por aí, há centenas de anos O senador Lopes Trovão já falava do problema em 18 e alguma coisa. Só vieram tona e são manchetes todos os dias simplesmente para alimentar esse enredo facistóide. Não é fácil trabalhar com crianças e adolescentes nestas condições, mas é possível, comprovadamente possível. Mas exige esforço, seriedade, comprometimento e principalmente ética. Tem duas soluções para acabar com esta campanha sensacionalista e perversa: Algum meio-mídia que tenha a coragem de apontar os casos de sucesso e porque eles conseguem resultados ( Vejam Associação Lua Nova, Abrigo Casa das Expedições no CRAS Casa Verde. A outra solução que está demorando demais é começar a prender os agentes e serviços por irresponsabilidade e abandono de incapaz ( vivem impunemente escondidos atrás da mascara “dos que fazem o bem”). Prende um para ver se a coisa não começa a funcionar. Passou da hora de perder a paciência com esta “hipocrisia” do faz de conta das políticas e organismos públicos.

  2. Pingback: Blog do Itevaldo » ‘CANDELÁRIA NELAS’