Aprender na cidade

Projeto lança publicação com mapas afetivos do Glicério feitos por crianças

Quais são os caminhos e trajetos invisíveis de uma cidade? Que cheiros e sentimentos produzem os espaços? O que há em alguns locais do bairro que faz com que nos sintamos bem? A cidade onde vivemos é cinza ou tem cores? É possível se divertir no espaço público ou apenas dentro de casa? Quem nos acolhe no conturbado dia a dia urbano?

Essas são perguntas que passam despercebidas pelos adultos que habitam as grandes cidades. E, como essa visão de “gente grande” é a responsável por moldar os planejamentos que organizam a vida em uma metrópole, o olhar das crianças acaba se perdendo quando discutimos o presente e o futuro das cidades.

Desenho do bairro do Glicério feito por crianças

Thifanny diz o que quer para o bairro do Glicério.

Juliana Rosa - prosa e fotografia

Foi pensando em incluir o que pensam meninos e meninas na elaboração de políticas e programas para o bairro do Glicério, região central de São Paulo, que o projeto Criança Fala na Comunidade lançará uma publicação com mapas afetivos produzidos por crianças. A proposta é divulgar os desenhos com as interpretações e representações daquilo que julgam importante para o seu bairro, em diálogo com uma Cidade para Crianças.

Coletados através de experiências lúdicas de observação, os “dados” do mapeamento vão desde o viaduto que divide a Baixada em duas, labirintos, ruas e casas à deliciosa coxinha do seu Valdomiro.

Para viabilizar a impressão de mil cópias, que devem ser levadas às famílias do Glicério, além de parceiros do projeto, a equipe do Criança Fala na Comunidade busca pessoas e organizações que possam contribuir financeiramente com a publicação. Os interessados devem enviar email para nayana@criacidade.com.br. O Criança Fala na Comunidade é apoiado pelo São Paulo Carinhosa.

Desenho do bairro do Glicério feito por crianças

Desenho da Nicolle representa como ela vê o bairro do Glicério.

Juliana Rosa - prosa e fotografia