Transformar a cidade

Secundaristas pedem apoio para denunciar violência policial em órgão de direitos humanos

Com a intenção de denunciar a violência policial e a criminalização de estudantes que ocuparam mais de 200 escolas em São Paulo e protestaram contra a reorganização escolar proposta pelo governo estadual, secundaristas irão até a sede da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), em Washington (EUA), no próximo dia 7/4.

Entre as situações violentas pelas quais jovens e suas famílias, professores e apoiadores passaram durante o período das ocupações estão ameaças e intimidação verbal e física dentro das escolas, prisões arbitrárias, agressões físicas e psicológicas e perseguições nas ruas do entorno.

Uso de armas letais para intimidar e bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para reprimir manifestações também constam no dossiê que o Comitê de Mães e Pais em Luta, em parceria com a ONG internacional Artigo 19, enviou à CIDH. O documento ainda pediu a realização de uma audiência temática para o órgão.

A audiência contará com a presença de três estudantes secundaristas que integram o Comando das Escolas em Luta e uma advogada que acompanhou a luta dos estudantes desde o início. Para viabilizar a ida desse grupo à capital estadunidense, foi lançada uma campanha de crowdfunding que vai arrecadar fundos para bancar passagens aéreas, alimentação e hospedagem por três dias. Também está prevista remuneração simbólica de uma equipe que produzirá material audiovisual a ser apresentado na audiência.

“O Estado brasileiro, que estará presente na audiência, será constrangido internacionalmente para que respeite os compromissos de direitos humanos, tomando medidas concretas para garantir o direito à educação, direito à liberdade de expressão e combate à violência policial”, apontam os organizadores na descrição da proposta.

Contribua!

(Foto de Marcos Santos / Jornal da Usp)