Transformar a cidade

Festival do Livro de São Miguel debate equidade racial na literatura

A 8ª edição do Festival do Livro e da Literatura de São Miguel, na zona leste de são Paulo se realiza entre os dias 8 e 10 de novembro sob o tema “Letras Pretas: poéticas de corpo e liberdade”. Serão mais de 180 horas de programação montada de forma colaborativa com o apoio de artistas, ativistas, instituições e estudiosos do movimento negro.

Neste ano, mais de 150 ações se realizam em 50 pontos de São Miguel Paulista, e convidam o público ao debate sobre a importância da presença de autores negros e suas produções na literatura brasileira. As atrações incluem intervenções artísticas, contação de histórias, saraus, peças de teatro, conversas com autores, cortejos literários e venda e troca de livros, além de oficinas de criação de turbantes e das tradicionais bonecas Abayomi que serão realizadas nas escolas do bairro.

“Por meio da literatura, o Festival permite a chegada de temas importantes e pouco explorados no território, incentivando um exercício de escuta das diferentes vozes que compõem a sociedade, principalmente no ambiente escolar”, reflete Inácio Pereira, coordenador da programação cultural da Fundação Tide Setubal, realizadora do evento.

No primeiro dia do Festival, cerca de três mil livros arrecadados através de doação serão distribuídos pelas ruas de São Miguel Paulista, região que tem um dos piores índices de livros disponíveis para o público adulto da cidade de São Paulo. E em comemoração ao mês da Consciência Negra, o Instituto Feira Preta realizará um calendário especial com atividades descentralizadas, ocupando espaços públicos e privados da cidade de São Paulo. As ações nos territórios terão início com a Ocupação Feira Preta Afroliterária, que acontecerá durante os três dias do Festival do Livro.

A programação completa dos três dias de evento pode ser visualizada no site da Fundação Tide Setubal. A entrada é gratuita e aberta para todos os públicos.

O Festival do Livro e da Literatura de São Miguel é uma iniciativa do Ministério da Cultura, com parceria estratégica da Prefeitura de São Paulo, da Universidade Cruzeiro do Sul e do Museu Afro Brasil, apoio cultural do Sesc, patrocínio do Itaú BBA e realização da Fundação Tide Setubal.