Transformar a cidade

No SaferLab, jovens criarão projetos para combater discursos de ódio virtual

SaferNet - organização que luta pela promoção de direitos humanos na internet – lançou em parceria com a Google.org e a UNICEF Brasil a iniciativa SaferLab. Com inscrições abertas até o dia 1 de março, o laboratório de ideias convida jovens de 16 a 25 anos a criarem contra-discursos para combater narrativas de ódio em ambiente virtual.

O que são contra-discursos?

“A noção de contra-discurso tem suas raízes no trabalho de Michel Foucault, que argumentava que, quando aqueles que são normalmente falados começam a falar por si mesmos, eles criam um contra-discurso – um ato de resistência ao poder e a segregação”, explica Juliana Cunha, diretora de projetos especiais da SaferNet.

Os grupos chamados para compôr o laboratório são os principais alvos de discriminação virtual mapeados pela SaferNet: mulheres, população negra e LGBTs.  A afinidade com o tema, experiência, criatividade e vontade de trabalhar com conteúdo online, criando oportunidades de diálogo, serão um diferencial na seleção.

As inscrições precisam ser feitas em grupos, e o conteúdo propositivo a concorrer pode ser desde um vídeo, uma hashtag ou um meme, desde que promova respeito e diversidade.

Na primeira fase, serão selecionados 300 jovens de todo o país para participar de formações online. Na próxima etapa, o grupo será reduzido para 150, que participarão de um final de semana dedicado ao desenvolvimento de projetos de contra-narrativa. 30 deles passarão para a fase de desenvolvimento, contando com mentorias de especialistas.

Os dez projetos que se destacarem ao longo de um ano de laboratório serão premiados com bolsas de R$1,5 mil até R$12 mil.

pessoas fotografas de costas assistem palestra

Lançamento do SaferLab / Foto: Facebook do SaferNet

“É preciso fortalecer mecanismos não-regulatórios e sociais que possam fazer frente à disseminação e o impacto das manifestações de incitação ao ódio na internet. O SaferLab faz parte desse esforço ao propor uma abordagem construtiva para o problema”, declara Juliana.

Acesse mais informações e a ficha de inscrição no edital completo do SaferLab.