Transformar a cidade

Após transformação radical, Bogotá vive nova crise de mobilidade

Conhecido mundialmente pela revolução que causou na mobilidade urbana de Bogotá, capital da Colômbia, o Sistema TransMilenio de transporte público atravessa um momento turbulento em sua breve história.

Veja também
Transporte impacta permanência de estudantes na escola
Artista vira boi no metrô para questionar superlotação do transporte público
Plataforma acompanha planos de mobilidade urbana nas capitais

Inaugurado em 2000, o sistema de BRT (Bus Rapid Transit, ou Trânsito Rápido de Ônibus) transformou a até então caótica mobilidade urbana da cidade ao introduzir longos corredores exclusivos para a circulação de ônibus articulados e biarticulados, com o objetivo de conectar pontos extremos de Bogotá.

Sistema TransMilenio impactou a mobilidade urbana de Bogotá | Crédito: EMBARQ Brasil

De lá para cá, 12 corredores foram construídos – em um total de 112 quilômetros exclusivos para o TransMilenio, 143 estações e quase 1.400 ônibus –, transportando cerca de quatro milhões de passageiros por dia. Inspirado na rede integrada de transporte de Curitiba, o TransMilenio rapidamente se transformou no maior sistema de BRT do mundo e ajudou a desafogar o trânsito da capital colombiana.

Déficit

Entretanto, desde o início do ano, usuários do sistema vêm bloqueando o acesso a estações, em protesto contra o mau funcionamento do serviço público. Os passageiros reclamam de superlotação e atrasos dos ônibus, além da falta de segurança durante as viagens.

Atualmente, Bogotá possui 7,7 milhões de habitantes; nos anos 1950, esse número não ultrapassava 650 mil. | Crédito: Street Travel Art

Para a ex-diretora do Instituto de Desenvolvimento Urbano e atual conselheira de Bogotá (cargo similar ao de um vereador), Maria Fernanda Rojas, a atual crise do sistema foi deflagrada pela falta de planejamento, atraso na execução de obras e decisões políticas erradas. “Em 2014 deveríamos ter 388 quilômetros de corredores, mas a obra está atrasada. Isso explica parte do déficit que vemos”, analisa Rojas. “Hoje o desafio está na aprovação dos recursos para esses projetos urgentes. Além do mais, a classe política de Bogotá tende a achar que a solução da mobilidade tem que ser apenas uma – metrô ou TransMilenio –, mas o transporte precisa ser intermodal”, afirma.

Maria Fernanda Rojas participou da conferência A cidade e o Jovem, realizada na última quinta-feira (20/3), em São Paulo, que teve o objetivo de debater como as cidades do futuro devem estar mais preparadas para as novas gerações.

Conflitos

Rojas resgatou a história do planejamento urbano de Bogotá para explicar os motivos da crise de mobilidade que a cidade voltou a viver. Em 1950, a cidade tinha 647 mil habitantes e, à época, projeções mostravam que esse número atingiria dois milhões no ano 2000. Resultado: na virada do milênio a capital colombiana tinha uma população de 6,3 milhões de pessoas. “Houve uma grande migração interna devido à violência crescente no campo colombiano”, aponta Rojas. “Isso causou conflitos de mobilidade em Bogotá – e muitos outros também.”

E, se nos anos 50 a cidade contava com apenas 100 ônibus circulando pelas ruas, esse número chegou a 20.500 veículos em 1996, levando quase 5,8 milhões de passageiros. Rojas relembra as ruas tomadas pelo trânsito caótico dos ônibus. “Como responder a isso? Criamos planos de desenvolvimento e ordenamento territorial, além de projetos para o fortalecimento institucional e o saneamento das finanças”, explica. As ciclovias também fizeram parte da solução – atualmente há 313 quilômetros de vias exclusivas para bicicletas em Bogotá.

Uso de bicicletas é estimulado na capital colombiana. | Crédito: DaseinDesign

Intermodal

Segundo a conselheira, a solução para a crise passa pela necessidade de se estabelecer um sistema intermodal de transportes, onde os usuários tenham várias opções para se locomover. O estímulo ao uso das bicicletas e a construção de uma rede metroviária fazem parte do plano, além de teleféricos nas regiões montanhosas da cidade. “Bogotá é uma das poucas cidades com mais de quatro milhões de habitantes que não tem metrô. Costumo falar que o metrô de Londres tem 150 anos de funcionamento, enquanto o de Bogotá tem 100 anos de estudo”, brinca Rojas.

Enquanto o sistema de mobilidade urbana não se diversifica, Bogotá viu a frota de carros crescer exponencialmente nos últimos anos: de 500 mil veículos em 2002 para 1,5 milhão em 2012.

Rojas acredita na transformação da cultura automobilística e individualista, que faz muitas pessoas escolherem o carro mesmo sabendo que haverá congestionamento para chegar ao destino. “Esse conceito está mudando aos poucos. Depende de como nós avançaremos nos projetos.”