Aprender na cidade

Ônibus levam livros para passageiros das metrópoles

O interesse pela leitura do cobrador de ônibus Antônio da Conceição Ferreira, de 42 anos, não é novo. Ainda menino, gostava de ler os jornais que serviam de embrulho para os objetos que seu pai levava pra casa. Mas foi há 11 anos que ele conseguiu de fato expandir seu apreço pelos livros, criando o projeto Cultura no Ônibus, que empresta títulos para os passageiros da linha em que trabalha, no Distrito Federal.

“Nasci no Maranhão e cheguei ao Distrito Federal no ano de 1993, vindo de uma família de humildes agricultores. Estudei em escolas públicas, superando grandes dificuldades, tendo por vezes apelado a colegas para conseguir livros e materiais emprestados para que pudesse seguir com meus estudos. Sempre fui ligado à leitura, apesar de não haver um incentivo a isso nas instituições onde estudei. Não possuo formação superior mas pretendo avançar com meus estudos até atingir esse objetivo.
Acredito muito na leitura como forma de mudança social e busco cada vez mais difundir esse maravilhoso hábito.” 

Antônio da Conceição Ferreira

Um dos objetivos da iniciativa é oferecer cultura aos moradores da cidade, tornando mais aprazível o deslocamento daqueles que utilizam esse tipo de transporte. “Dentro do ônibus não há atrativos para os passageiros, então vejo o livro forma de distração e de adquirir cultura”, afirma o cobrador.

De forma livre, os passageiros podem emprestar e devolver as obras, mas a ideia é fazê-las circular pelo ambiente urbano. Por isso, Antônio sonha em expandir o “circuito” de leitura para outras linhas.

Entre os volumes mais procurados estão os livros de contos, crônicas, romances e autoajuda.  O acervo é todo formado por doações de passageiros e de internautas que acessam o blog do projeto. Em casa ele já reúne um acervo com cerca de oito mil títulos, entre livros, revistas e cordéis.

Outros exemplos

Em Goiânia, um sarau ambulante vai acontecer dentro dos ônibus do Eixo Anhanguera durante o segundo semestre de 2014. Haverá declamação de poesias, pocket shows, performances teatrais e distribuição de livros para os passageiros. A ideia é levar cultura para parte da população que não tem tempo de realizar coisas simples como ir ao teatro, cinema, casa de shows, ou até mesmo ler um livro por causa do dia a dia corrido das grandes cidades.

Já a capital paulista criou um ônibus-biblioteca, que possibilita às pessoas de bairros mais distantes do centro acesso à leitura. São 72 roteiros estabelecidos de acordo com a ausência de bibliotecas públicas na região e também por sugestão da população local. Ao todo, 12 veículos transportam cerca de 4 mil itens, entre livros, jornais, revistas e gibis.

Com informações do R7