Transformar a cidade

Ermínia Maricato: O futuro das grandes cidades, mantido o rumo atual, não tem nada de otimista

“É a questão urbana, estúpido!”, foi o título do artigo que Ermínia Maricato, professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), entregou para a compilação de artigos “Cidades Rebeldes”, publicada na ressaca de junho de 2013 pela Boitempo Editorial. A escolha do título, uma paródia da frase do publicitário político americano James Carville, revela o tom adotado por Maricato para se fazer escutar: crítica, certeira e bem-humorada.

Durante sua fala no Simpósio Urbanismo Ecológico, organizado pela Harvard School of Design, no Centro Cultural Vergueiro, no dia último dia 14, a urbanista criticou a gestão das cidades e seus recursos nos últimos anos e apontou cenários nada animadores.

Indignada com a falta de água em São Paulo e com a divisão entre a “a cidade que não importa” e a “cidade especulativa e rentista”, Maricato voltou a sua tese de que uma Reforma Política ampla é essencial para pensarmos um novo modelo de cidade. Afinal, entre os maiores financiadores de campanha estão as empreiteiras e construtoras, que depois “irão cobrar favores”.

A proeminência da questão urbana, jogada em segundo plano nas eleições é, para ela, algo lamentável. Quando discutimos a cidade, “é da vida, do tempo perdido, mas também da morte, literalmente, que estamos tratando”. Após sua palestra, o Portal Aprendiz conversou com a urbanista.

Portal Aprendiz: Você fez uma fala bem pessimista…

Ermínia Maricato: Sim, mas no final eu fui até otimista.

Portal Aprendiz: É verdade, mas qual é a sua visão a respeito do futuro das grandes cidades brasileiras? 

Ermínia: O futuro das cidades brasileiras, especialmente das metrópoles, mantido o atual rumo não tem nada para alimentar o otimismo. O que nós tivemos foram mais de duas décadas sem investimentos – por conta da ideologia neoliberal e pela crise fiscal no Brasil. Quando o investimento vem, como na primeira década desse século, ele chegou na habitação, saneamento e transporte, mas tivemos um assalto dos capitais sobre a cidade.

Mas que assalto é esse? Em primeiro lugar, o setor imobiliário e de construção de infraestrutura, que estão muito ligados ao financiamento de campanhas eleitorais. E isso não só na esfera federal, mas também no plano municipal. Nós sabemos que a bancada do setor imobiliário é muito forte no Congresso Nacional, uma das maiores. Em segundo lugar, crescer as taxas de emprego infelizmente significa apoiar a indústria automobilística. No mundo inteiro, com exceção da Dinamarca, é assim. E no Brasil isso significou uma tragédia para as cidades.

Nós somamos e acumulamos obras inadequadas, rodoviaristas, desnecessárias e superfaturadas. O resultado? Hoje temos o dobro da quantidade de automóveis nas ruas que tínhamos há dez anos. E tudo isso sem a reforma fundiária que está prevista na legislação brasileira. O mais incrível é que o Estatuto da Cidade, a Constituição de 1988 e toda legislação federal que conquistamos recentemente são desconhecidas pelo judiciário.

Não fosse junho de 2013 eu estaria muito pessimista com o futuro das cidades. E é preciso lembrar para quem culpa a Dilma por tudo que a questão metropolitana é de responsabilidade estadual e a questão urbana – uso do solo, transporte, saneamento – é municipal. É uma questão federativa e estamos órfãos de pai e mãe.

Portal Aprendiz: E o Plano Diretor Estratégico (PDE) de São Paulo mencionado por você. Ele pode ser considerado um ponto de inflexão, uma garantia de regulação?

Ermínia: O PDE não garante nada, ele é uma ajuda, mas não é suficiente. Lei nesse país não significa conquista definitiva. O que precisamos é que ele seja implementado. Como esse foi conquistado com mobilização social – e eu falo tranquilamente que temos em São Paulo um governo honesto e bem intencionado -, temos alguma chance de fazer algo na cidade. Não é a única via, mas temos uma chance de melhorar a vida de uma cidade muito, muito, muito prejudicada.

Portal Aprendiz: E como São Paulo vai sobreviver à questão da falta d’água?

Maricato: A nossa mídia está agindo contra o interesse público – disso não resta a menor dúvida. Ela está desinformando a população e isso pode virar uma tragédia de proporções inimagináveis. O que me assusta é que a sociedade não está sendo informada sobre o que está acontecendo com os recursos hídricos e só sente quando a água falta na torneira, o que acontece sempre primeiro na periferia. Mas agora essa realidade está chegando no centro e nos bairros ricos. A população é tratada como idiota e é totalmente manipulada pela falta de informações. Ninguém sabe o que fazer.