Transformar a cidade

Curador indica lista de filmes da Mostra Cinema e Direitos Humanos

Chegou ao fim no sábado (20/12) a 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul, realizada pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) em parceria com o Ministério da Cultura (MinC) e com o Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense (UFF).

A Mostra foi exibida em todas as capitais brasileiras desde o dia 3/11, mas na verdade está longe de terminar. Agora, de 8/1 a 31/3 de 2015, o Projeto Democratizando vai levar um kit de filmes do evento para serem exibidos em escolas públicas, cineclubes, bibliotecas e museus de cidades do interior de todas as regiões do Brasil.

De acordo com um dos curadores da Mostra Competitiva, Daniel Nolasco, mais de mil pontos receberão os kits. “Com isso, queremos descentralizar e disseminar ainda mais o conteúdo tão rico do evento”, afirma Nolasco, que esteve pelo segundo ano consecutivo na curadoria da Mostra. “Usamos a linguagem cinematográfica para discutir temas ligados aos direitos humanos, buscando filmes que tenham uma inovação na linguagem e na forma que abordam essas questões.”

Em 2014, a Mostra homenageia a cineasta carioca Lúcia Murat, presa e torturada nos porões da ditadura militar.

A Mostra recebeu filmes de países como Jordânia, Egito e México e, segundo Nolasco, teve em 2014 o dobro de inscrições do ano anterior. O curador revelou que existe uma preocupação em selecionar filmes que dialoguem com a infância e a idade escolar, já que são realizadas sessões também em escolas.

A pedido do Portal Aprendiz, Nolasco escolheu algumas obras que foram exibidas na Mostra e que falam sobre direitos humanos dentro da escola e também nas ruas da cidade. Confira!

#1 Hoje eu quero voltar sozinho (Brasil, 2014 / 95 minutos / Daniel Ribeiro)

O filme conta a história de Leonardo, um adolescente cego que busca a independência enquanto tem que lidar com a mãe protetora. “A obra discute a homossexualidade, a deficiência visual e a juventude, três temas muito relacionados aos Direitos Humanos”, aponta o curador.

#2 Meu Amigo Nietzsche (Brasil, 2013 / 15 minutos / Faustón da Silva)

Na escola, Lucas encontra um livro do filósofo alemão e dá início a uma grande revolução em sua vida. “Por ser ambientado no espaço escolar, o curta tem uma capacidade muito grande de diálogo com as crianças”, observa Nolasco. “É interessante o debate que o filme gera ao retratar a infância como um período de descoberta de novas informações”.

#3 Requília (Brasil, 2013 / 15 minutos / Renata Diniz)

Todo dia um garoto de 7 anos pega o ônibus para a escola com sua babá. Numa manhã, porém, encontra no ponto uma pessoa incomum. O curta-metragem conta a história de uma amizade surpreendente entre personagens de diferentes gerações e classes sociais.

#4 Sophia (Brasil, 2013 / 15 minutos / Kennel Rógis)

Joana, mãe de uma garota com deficiência auditiva chamada Sophia, passa por incríveis experiências sensoriais na busca de entender mais do universo de sua filha. “A construção sonora do filme é toda baseada em como seria o mundo ouvido pela criança com deficiência”, conta.

#5 Six cups of Chai (Índia, 2014 / 7 minutos / Laila Khan)

O curta-metragem mostra a rotina de Dharavi, um garoto que trabalha vendendo chá pelas ruas de Mumbai e mora em uma das favelas mais pobres da cidade. Ele tem um desejo simples: ir para a escola.

#6 Galus Galus (Venezuela, 2013 / 12 minutos / Clarissa Duque)

Um morador de rua é o protagonista desta animação venezuelana. Certo dia, revirando o lixo, começa uma amizade com um galo e constrói uma relação afetiva com o animal.

#7  Mohamed Mahmoud… Herald dos revolucionários (Egito, 2012 / 11 minutos / Ines Marzouk)

Mohamed Mahmoud… Herald of the Revolutionaries from ines marzouk on Vimeo.

Durante os protestos contra o Conselho Supremo das Forças Armadas egípcias, em novembro de 2011, a rua Mohamed Mahmoud ficou conhecida pelos embates entre manifestantes e as forças de segurança. Neste curta, a jornalista reconta sua cobertura dos conflitos, que resultou em inúmeros feridos e também em mortes. “O filme é construído a partir da visão de uma mulher sobre a revolução acontecendo em sua cidade.”

#8 Quilombo da Família Silva (Brasil, 2012 / 15 minutos / Sérgio Valentim)

O primeiro quilombo urbano reconhecido e titulado do Brasil é o tema deste documentário. Localizado em uma área nobre, perto do centro de Porto Alegre, o Quilombo da Família Silva presta homenagens aos antepassados que lutaram pela liberdade e, hoje, seus habitantes lutam pelas terras que habitam há quase cem anos. “Através do retrato da família, o filme mostra a tensão que existe entre a vida quilombola e o desenvolvimento da cidade”, analisa Nolasco.