Aprender na cidade

Arte e cultura das quebradas: começa o Estéticas das Periferias 2015

Mais de 100 debates e cerca de 300 apresentações artísticas estão previstas para acontecer durante a quinta edição do Estéticas das Periferias, que começa hoje (25/8) em São Paulo e prossegue até domingo (30/8).

O evento, idealizado pela Ação Educativa, mobiliza dezenas de espaços culturais localizados nas bordas da capital paulista e tem o objetivo de valorizar as regiões periféricas como produtoras de arte e conhecimento.

Em cinco anos, o Estéticas das Periferias ocupou todos os territórios da cidade. Entre bibliotecas, teatros, parques, praças, centros culturais, casas e fábricas de cultura, muitos foram os equipamentos públicos que receberam o encontro. Apenas 4% de todas as atividades ocorreram no centro de São Paulo.

Experimentalismo pode definir a programação, que é construída de maneira colaborativa por mais de 40 entidades culturais (entre coletivos e instituições públicas e privadas), além de artistas, acadêmicos, programadores e agentes culturais.

A abertura do evento acontece com uma programação especial a ser realizada no Auditório Ibirapuera (Avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº, Parque Ibirapuera, Portão 3 – São Paulo) a partir das 17h desta terça-feira. Uma mesa redonda sobre cultura e política discutirá o papel das estéticas divergentes e periféricas na transformação da realidade atual com a participação da escritora e pesquisadora Heloísa Buarque de Holanda, do Secretário de Cultura de São Paulo, Nabil Bonduki, da atriz Roberta Estrela D’Alva e do arte-educador Allan da Rosa.

Logo em sequência, às 20h, o grupo teatral Pombas Urbanas, em conjunto com músicos do Samba da Vela e do rapper Criolo, fará uma apresentação do espetáculo Lado a Lado: leste a sul, uma só comunidade!, que integra música e teatro e discute as relações de poder atuais, além do cotidiano periférico da cidade.

Confira a programação completa do Estéticas das Periferias 2015.