Transformar a cidade

Dia de Ação Global reúne artistas e ativistas no Largo da Batata

Marcado para o dia 24/9 (quinta-feira), o início da Cúpula para Adoção da Agenda Pós 2015 – instância responsável por aprovar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que integra a programação da 70ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) – também marcará o Dia de Ação Global.

Ao redor do mundo, cidadãos de Nova York, Paris, Londres, Sidney e Johannesburgo promoverão ações que chamem a atenção para a relevância dos ODS para o mundo, assegurando a construção de um novo paradigma de desenvolvimento. No Brasil, o dia não passará em branco: pelo menos sete estados de quatro regiões diferentes do país estão organizando mobilizações. Cidades como São Paulo, Recife, Caruaru, Salvador, Porto Alegre estão entre elas.

Um dos objetivos do Dia de Ação Global é que, ao entardecer do dia 24/9, milhares de pessoas de todo o planeta acendam uma vela que simbolize novas propostas para o fim da pobreza, da desigualdade social e das mudanças climáticas, a serem alcançadas até 2030.

Na capital paulista, um evento reunirá artistas e coletivos urbanos no Largo da Batata. A programação trará nomes representativos da cultura popular brasileira, como o grupo afro-brasileiro Ilú Obá de Min; o conjunto Forró na Pressão; a rapper feminista Luana Hansen; e o cantor do Teatro Mágico, Fernando Anitelli.

Enquanto as atrações se apresentam, coletivos vão desenvolver atividades que colocam a cidade como um espaço de disputa, para que ela seja mais democrática e voltada para a população. Feira orgânica e oficinas de stêncil e grafite também estão confirmadas.

A Carroceata levará catadores de reciclados ao largo para mostrar a importância do trabalho que eles desenvolvem, tanto para a geração de renda quanto para a redução de impacto ambiental no planeta. A ação é realizada pelo movimento Pimp My Carroça.

No evento, o Instituto Cidade Democrática lançará ainda um Concurso de Ideias – Causas Comuns, que pretende favorecer organizações da sociedade civil e movimentos socioambientais, além de cidadãos engajados nas áreas de transparência, acesso à justiça, segurança e paz na cidade de São Paulo.

Serão premiadas as 12 propostas inscritas na plataforma digital que tiverem mais pessoas apoiando, debatendo e preocupadas em tirá-las do papel. As propostas vencedoras ganharão visibilidade nas redes sociais e no evento público de premiação, entre janeiro e fevereiro de 2016, em que serão entregues aos governos municipal, estadual e federal.