Transformar a cidade

Exposição itinerante destaca trabalho de defensores de direitos humanos na zona sul

“Ela merecia um filme. Ela, a Dona Maria do Jardim Ângela e tantas outras. Essas histórias não podem se perder”, afirmou Renato Rocha, do Coletivo Dedoverde, quando o Portal Aprendiz narrou a trajetória de Maria Cecília de Luna,  a Dona Lurdes da Vila das Belezas, em fevereiro deste ano. Renato falava das milhares de “donas”, mulheres, lideranças, almas de bairro e alicerces de comunidades que, ao entrelaçarem suas vidas com a luta, com a solidariedade, com a necessidade de transformar, juntar e congregar suas vizinhanças nas periferias de São Paulo, tornaram-se imprescindíveis.

Os Centros de Educação em Direitos Humanos (CEDH) materializam a política de Educação em Direitos Humanos da cidade de São Paulo. Espalhados por quatro regiões da metrópole, os CEDH articulam escolas e territórios em torno da agenda de direitos humanos. Entre as ações já implementadas, estão a ampliação do acervo de Direitos Humanos nas bilbliotecas dos CEUs, formações para educadores, criação de material didático específico, além da criação de um fórum local que reúne a comunidade do entorno, fomentando a intersetorialidade e a participação social. Fruto de uma parceria entre as Secretarias Municipais de Educação e Direitos Humanos e Cidadania, com colaboração da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, os CEDHs operam dentro de quatro CEUs: Casa Blanca (zona sul), São Rafael (zona leste), Pêra-Marmelo (zona oeste) e Jardim Paulistano (zona norte).

Quase nove meses depois da eleição de Dona Lurdes como “patrona” da comunidade, uma exposição promete trazer a memória da luta da Associação de Moradores que ela ajudou a fundar, na escola que ela ajudou a construir. Não só isso, como outras 15 organizações referências na promoção e garantia de direitos humanos na zona sul paulistana serão contempladas na mostra itinerante “Humanizar: Ações em Direitos Humanos”, que tem início no dia 28 de novembro, das 19h30 às 21h30, no CEU Casa Blanca.

Realizada pelo Centro de Educação em Direitos Humanos, pelo CEU Casa Blanca, com apoio da Prefeitura de São Paulo, a exposição irá percorrer diversos equipamentos educacionais na zona sul paulistana no próximo ano, ficando um mês em cada lugar. Ao fim de 2016, cada organização receberá um banner para expor em sua organização ou em suas atividades.

“A exposição é composta pelas organizações, coletivos fóruns, enfim, pessoas que agem pela defesa de direitos na região. União Popular de Mulheres, Santos Mártires, Comitê Juventude e Resistência, o CDHEP, Fórum do Idoso, enfim, uma amostra de quem promove direitos humanos aqui e uma história de como faz”, relata Maria Adalgiza, articuladora do CEDH da zona sul e uma das organizadoras.

A ideia, segundo ela, é ampliar o espectro dessas ações, inspirar e fomentar novas práticas, além de dar visibilidade para quem trabalha pela vida na região. “Vai ter juventude, defesa da vida, iniciativas populares, a questão da memória, verdade e violência na região, mulheres, idosos etc. Queremos contemplar todos e todas”, relata Adalgiza.

Para quem quiser conhecer as narrativas de resistência da cidade, a cerimônia de abertura será dia 28/10, às 19h30 e contará com intervenções artísticas e microfone aberto. O evento acontecerá no foyer do CEU Casa Blanca, que fica na rua João Damasceno, 85, na Vila das Belezas.

A exposição, no entanto, ficará aberta ao público até 30 de novembro, de segunda a sexta das 7h às 23h, e aos fins de semana, das 8h às 20h. A entrada é franca e para mais informações, ligue para (11) 5519-5214.