Criar na cidade

Coletivo lembra quem são os negros que dão nome às ruas de São Paulo

Em virtude do dia da Consciência Negra (20/11), um coletivo resolveu lembrar que as ruas de São Paulo também guardam memórias da população afrobrasileira.

Projeto ressalta logradouros que homenageiam afrobrasileiros.

Placa lembra do escritor Mario de Andrade, na Barra Funda.

Facebook/Reprodução

Para  contar um pouco da história de Torres Homem, Lima Barreto, Teodoro Sampaio, José do PatrocínioAndré Rebouças, Luiz Gama, Mário de Andrade, Cruz e Souza, João Cachoeira e Machado de Assis e muitos outros, as placas dos espaços públicos que levam seus nomes foram tingidas de preto pelo Coletivo João Silva, formado por publicitários.

Leia mais
+Black is beautiful: 10 filmes blaxpoitation que refletem o orgulho negro
+Escola é o espaço onde crianças de religiões afro mais se sentem discriminadas, afirma pesquisadora
+Coletivo resgata tranças e penteados afro para valorizar identidade da mulher negra
+Especialistas avaliam os dez anos de ensino de História e Cultura Afro-Brasileira nas escolas

Em cada um desses locais, um lambe-lambe foi, contando um pouco da história dessas pessoas, como forma de aumentar a representatividade do negro na capital paulista.

É possível conferir pelo GoogleMaps onde estão as placas alteradas.

É possível conferir pelo GoogleMaps onde estão as placas alteradas.

Facebook/Reprodução

Pela página do Facebook do Consciência Negra Na Rua, é possível conhecer um pouco da biografia de cada um dos escolhidos e conferir onde estão as intervenções urbanas.

“Por isso, quando você vir uma placa de rua preta, pare e conheça um pouco mais sobre a figura que está ali. Você vai entender melhor a relevância e o impacto que o povo e a cultura afro tiveram na sociedade brasileira”, convida o grupo.