Aprender na cidade

Exposição no MAM aborda relação entre arte e educação

Lembrando do educador Paulo Freire, que dizia que “ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo” e do artista Hélio Oiticica, que proclamava que “o museu é o mundo”, o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP) está com a mostra “Educação como matéria prima” em cartaz.

Comemorando os 20 anos do educativo da instituição e pensando sobre a missão pedagógica das instituições culturais, a mostra tenta ampliar concepções de educação, alargando-as para além da escolarização e apropriação de conteúdos, e de arte, questionando seu papel apenas como produtora de objetos.

“Na contramão desse entendimento limitante, a presente mostra propõe situações de investigação e de encontro que partem da premissa de que todas as relações podem ser pedagógicas e de que as manifestações artísticas permitem imaginar o possível e o impossível, transcendendo a mera materialidade das obras e afetando a cultura e a sociedade. Assim, reunimos artistas que trabalham processos educativos na sua produção: as relações envolvidas no aprender e no ensinar são a matéria-prima de obras que se desenvolvem com a ação dos visitantes”, afirma a descrição da mostra, assinada pelos curadores Daina Leyton e Felipe Chaimovich.

A exposição, que conta com obras de Amilcar Packer, Evgen Bavcar, Graziela Kunsch, Luis Camnitzer e Stephan Doitschinoff, Jorge Menna Barreto e Paulo Bruscky, estará aberta até 5 de junho, de terça à domingo, das 10h às 17h30. O Museu de Arte Moderna de São Paulo fica no Parque do Ibirapuera (av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 3). A entrada é de R$ 6, sendo gratuita aos domingos. Para saber mais, acesse o Facebook do MAM ou seu site oficial.