Criar na cidade

Conheça 6 feiras imigrantes de São Paulo

Durante os últimos 200 anos, imigrações alteraram a malha demográfica de São Paulo. A capital é uma condensadora não só dos imigrantes que nela se estabeleceram, como também porta de entrada para escoamentos dessas itinerâncias para o resto do país.

Leia +: Infância e diáspora: Como se sente – e como a escola pode receber – a criança migrante?

O primeiro grande fluxo de imigração se deu entre 1885 e 1927, como parte de um programa de subsídio à imigração internacional: foram mais de 2,5 milhões de italianos, portugueses, espanhóis, alemães e japoneses que se espalharam pelo país para ocupar novas fronteiras agrícolas.

Em paralelo, a recém-abolida escravidão fez com que um grande número de pessoas descendentes de grupos etnolinguísticos como os Bantu e os Nagô migrassem compulsoriamente.

Ainda hoje, São Paulo concentra a maior parte do fluxo imigratório, com destaque para povos andinos, sírios, palestinos, congoleses, sudaneses e de outros países africanos.

Diante desse cenário de diversidade, o Portal Aprendiz mapeou 6 feiras imigrantes da cidade. Realizadas regularmente, elas concentram saberes dessas culturas, como a culinária, dança e música.

Algumas foram recentemente mapeadas pela Coordenação de Políticas para Imigrantes e Promoção do Trabalho Decente da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo (SMDHC) no trabalho Mapeamento dos Grupos de Imigrantes ou Ligados à Temática Migratória no Município de São Paulo. Confira:

 *Foto por Mariana Gonzalez