Criar na cidade

Projeto Sonora Brasil celebra musicalidade feminina e indígena

Há 22 anos, o Sonora Brasil desperta o interesse do público para expressões musicais identificadas com a história da música brasileira e instiga olhares e atenções para grupos que estão fora dos grandes centros culturais.

Promovido pelo Sesc, e considerado o maior projeto de circulação musical do país, o Sonora Brasil  já alcançou 750 mil pessoas, com 6.098 concertos, de 85 grupos, em mais de 150 cidades brasileiras.  Ao todo, 431 músicos já se apresentaram no circuito, que a cada biênio aborda duas temáticas diferentes e promove a circulação dos artistas por todas as regiões brasileiras.

Leia +: Rodas de samba compostas por mulheres ocupam e ressignificam o espaço público

Neste ano, os temas apresentados serão “Líricas Femininas – A presença da mulher na música brasileira” e “A Música dos Povos Originários do Brasil”. Até o fim de 2019, os 63 artistas dos dois temas farão 350 apresentações, em 97 cidades.

Entre as artistas escolhidas estão Badi Assad, violonista, cantora e percussionista, conhecida por um estilo marcado pela versatilidade de linguagens – vocal, instrumental, cênica e corporal; Cátia de França, cantora, compositora e multi-instrumentista, cujas composições já foram gravadas por grandes nomes da MPB, como Elba Ramalho, Amelinha e Xangai; Gabriela Geluda, soprano, mestra em música antiga pela Guildhall School of Music and Drama – Londres; e Rosa Reis, cantora maranhense, que apresenta a música da tradição popular caminhando pelos palcos, dialogando entre os ritmos dos terreiros e das festas populares.

O tema “A Música dos Povos Originários do Brasil” será apresentado por meio de quatro circuitos, com dois grupos diferentes em cada, mostrando um pouco da diversidade musical e estética dos povos indígenas. Os circuitos são compostos pelos grupos tradicionais: Teko Guarani, do povo Mbyá-Guarani (RS) e Nóg gã, Kaingang (RS); Dzubucuá, do povo Kariri-Xocó (AL) e Memória Fulni-ô, Fulni-ô (PE); Opok Pyhokop, do povo Karitiana (RO) e Wagôh Pakob, do Paiter Surui (RO); e pelo grupo Wiyae que reúne os trabalhos da artista indígena Djuena Tikuna (AM) e da cantora e pesquisadora Magda Pucci (SP) do grupo Mawaca.

Leia +: “O objetivo de todo rap indígena é conseguir demarcar terras para o nosso povo”, diz MC Xondaro

Já o tema “Líricas Femininas – A presença da mulher na música brasileira” busca dar visibilidade à produção das mulheres, que por muito tempo foi pouco reconhecida. Ao todo serão 14 artistas, compositoras e intérpretes que apresentarão ao público em quatro circuitos os programas compostos exclusivamente por obras de compositoras e letristas brasileiras reunidas especialmente para o Sonora Brasil.

Saiba mais sobre o projeto: http://www.sesc.com.br/sonorabrasil/