Aprender na cidade

Encontro debate os desafios para a redução das desigualdades educacionais

No próximo dia 28 de agosto, quarta-feira, a Fundação Tide Setubal promove o debate “Políticas Públicas: possibilidades e desafios para a redução das desigualdades educacionais”.

Voltado para e professores, lideranças da sociedade civil e gestores educacionais, o encontro é gratuito e acontece na Biblioteca Pública Viriato Corrêa, na Vila Mariana, em São Paulo, a partir das 14h30.

Leia+: O acesso à educação para população trans e a importância de políticas de permanência

O debate faz parte do projeto Vozes Urbanas, série de encontros com o objetivo de provocar a reflexão e a mobilização e para influenciar as políticas públicas educacionais, sob a ótica das desigualdades educacionais brasileiras, com o recorte de gênero e de raça.

Toda a conversa terá transmissão ao vivo no Enfrente, canal da Fundação Tide Setubal: https://bit.ly/2KnkFta

“Já colocamos os alunos em sala de aula e já temos ferramentas para medir a qualidade, agora é hora de debatermos as desigualdades educacionais do país”, explica Viviane Soranso, responsável pelo Vozes.

Integram a mesa o consultor em gestão pública e ex-governador do Acre, Binho Marques, que foi Secretário Nacional de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), atuou no UNICEF e é conselheiro do Cenpec; a professora Vanda Mendes Ribeiro, doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), com especialização na Universidade de Genebra e líder do Grupo de Pesquisa Educação e Vulnerabilidade Social nos Territórios, no CNPQ; e Edneia Goncalves, socióloga e coordenadora adjunta da ONG Ação Educativa, experiente em elaboração e avaliação de projetos educacionais e na formação de gestores e professores.

Saiba+:  Afinal, o que é uma educação de qualidade? 

“Num país de desigualdades tão marcantes em termos de raça e gênero, é urgente destacarmos esses marcadores para entendermos melhor que barreiras são essas na trajetória educacional que limitam, em muito, o acesso a outros bens, tangíveis ou não, da vida das pessoas”, defende Viviane.