Criar na cidade

‘Tinder dos Livros’, a iniciativa que conecta doadores a leitores

Publicado originalmente no site da Fundação Telefônica Vivo, com o título: Ativista Winnie Bueno cria ‘Tinder dos Livros’ e revoluciona pela literatura

O ‘Tinder dos Livros’ começou com uma provocação no Dia da Consciência Negra, em novembro de 2018, quando Winnie Bueno disse em seu perfil no Twitter que seria mais efetivo os brancos doarem livros aos negros do que se colocarem como aliados na luta contra o racismo. Para sua surpresa, muitos se interessaram em iniciar essa corrente. A partir daí, ela passou a conectar doadores a pessoas negras que precisam de livros.

Leia+: Bienal do Livro da Quebrada quer divulgar a cultura literária das periferias brasileiras

“Sugeri a doação de livros, porque realmente acredito que são ferramentas revolucionárias. Livro proporciona educação com autonomia, aprimora habilidades importantes para a construção de pensamento crítico e também fazem parte de quem eu sou. E sim, eu ainda me surpreendo com a adesão e com a disponibilidade das pessoas em ajudar”, conta.

O esquema é tão simples quanto marcar um encontro por um aplicativo. Quem quer doar manda uma mensagem direta para @winniebueno, se colocando à disposição. A pessoa que quer receber envia uma mensagem direta com os dados sobre o livro de que precisa, além de endereço, CEP e nome completo. Winnie, de forma aleatória, envia as informações ao inbox de quem se dispôs a doar. Então, o doador compra o livro e envia ao endereço indicado.

A criadora da iniciativa deixa claro no perfil que não há uma lista de doações e que a ideia é proporcionar a experiência de receber um livro com cheiro de novo. Com 31 anos, graduada e mestra em Direito, Winnie Bueno atualmente cursa doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e tem uma relação afetiva com a leitura, pois foi seu porto seguro durante toda a infância e adolescência.

“A minha relação com os livros é de amor, de companheirismo e das memórias mais bonitas. Sou realmente apaixonada pela leitura. Gostava tanto de ler que passava os recreios dentro da biblioteca da escola. Comemorei meu aniversário de 15 anos ali dentro. Minha avó me ensinou a ler e minha a mãe sempre incentivou. Fui criada em meio aos livros, o quarto da minha mãe era circundado de livros e aquilo me encantava”, relembra.

Democratizando o acesso à literatura

Com estudos sobre o pensamento da mulher negra, com foco na socióloga norte-americana Patrícia Hill Collins, atuante na educação popular e palestrante em temas como raça, gênero e sexualidades, a pesquisadora faz questão de usar sua visibilidade e seu tempo em prol do acesso à educação pela população negra. Além disso, promove autores e autoras negras.

“Todo livro de intelectuais negras que chega à minha mão, eu leio e recomendo. Ademais, a maioria dos livros que circulam no ‘Tinder dos Livros’ é de intelectuais negros, isso é uma forma de visualizar e divulgar essas obras”.

Winnie Bueno não tem um levantamento do perfil das pessoas beneficiadas pelo ‘Tinder dos Livros’, mas sabe que as obras chegam não apenas a universitários, mas também a crianças e adolescentes. Tanto a partir de doações para bibliotecas comunitárias quanto por meio de pedidos feitos por familiares. Além disso, ao longo de quase um ano de projeto, ela coleciona algumas boas histórias, que incluem pessoas de outros países e alguns nomes famosos.

“Um grupo de estudantes da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) já deve ter uma biblioteca própria, porque tem um volume significativo de pedidos que vem deles. Livros que o cantor Emicida mandou foram doados para crianças pretas que se empolgaram demais em recebê-los. Me emocionei com uma mãe que solicitou um livro sobre autismo para compreender melhor seu filho. Um menino que cumpre medida socioeducativa pediu a coleção Harry Potter. Segundo a assistente social e a psicóloga que o atendem, ele nunca tinha ganhado um presente. Foi muito bonito poder proporcionar o primeiro presente de um adolescente e ser justo a coletânea de livros que me acompanhou durante toda a adolescência”, exemplifica.

Ampliar o projeto é um grande desejo e por enquanto algumas alternativas estão sendo estudadas, o que inclui a possibilidade de ser transformado em um aplicativo ou em um site e até mesmo formas de otimizar a comunicação no próprio Twitter. O ‘Tinder dos Livros’ também ganha cada vez mais apoiadores como Companhia das Letras, TAG Livros e Estante Virtual. Além de Emicida, a filósofa, escritora e referência Sueli Carneiro também já contribuiu com obras, o que emociona Winnie Bueno e a faz manter a lutar por acesso à educação.

“A gente está vivendo um momento em que líderes querem censurar livros, em que bolsas de pesquisa e investimentos em Educação estão sendo cortados. Permitir que pessoas tenham acesso a leitura é uma forma de resistir a isso tudo. É uma forma de conter o desmonte de políticas públicas de democratização do ensino“, finaliza.