Aprender na cidade

Mostratec 2019 celebra a produção científica da juventude brasileira

Cada um dos 755 estandes que compõe a 34ª Mostratec é por si uma defesa da ciência e de seu poder em transformar territórios: há projetos de crianças do Ensino Infantil investigando o desaparecimento de abelhas, jovens desenvolvendo copos a partir de resíduos descartáveis; e adolescentes pesquisando sobre doenças graves como câncer ou do vírus HIV. 

Maior feira de ciência jovem da América Latina, a Mostratec 2019 é realizada pela Fundação Liberato em parceria com o Governo do Estado do Rio Grande do Sul e está aberta a visitação gratuita dos dias 22 a 24 de outubro, das 23h20 às 21h, na FENAC de Nova Hamburgo (RS).

Leia+ : Ciências no Brasil: escassez de financiamento e uma produção pouco conhecida

26 estados brasileiros e 20 países participam da competição que premia e reconhece os trabalhos científicos de crianças da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. 

Embora sejam muitos diversos os temas apresentados pelos participantes, Ramon Fernando Hans, diretor-executivo da Fundação Liberato, percebe que a feira ecoa temas caros à sociedade nos momentos em que ocorre: 

“A tendência da gurizada é usar o conhecimento tecnológico que eles vão adquirindo ao longo dos anos escolares para resolver problemas ligados ao meio ambiente, acessibilidade e questões sociais. Tu não vai ver trabalho da melhor maneira de inventar um carro, como numa feira comercial, e sim qual o melhor equipamento para uma criança que tem paralisia cerebral se locomover ou qual tipo de esponja se pode inventar para tirar o óleo do mar.” 

estandes da mostratec

Crianças e jovens apresentam seus trabalhos científicos em estandes da Mostratec 2019 / Crédito: Mostratec

Feira é também um espaço de defesa da educação e respeito às diferenças 

Em um ano de contingenciamento federal nas área de educação e ciências, a Mostratec 2019 reafirma a importância de promover a ciência como caminho para um futuro mais sustentável e democrático. 

“O objetivo é despertar a curiosidade pelas ciências desde pequenos. A criança aprende que não está estudando por nada, e sim com um objetivo, para resolver alguma coisa. Se ela começa a fazer projetos científicos desde pequena, quando chega no Ensino Médio quer desenvolver isso para a vida”, explica o diretor. 

A Mostratec é dividida em segmentos: a Mostratec Júnior contempla estudantes da Educação Infantil e Ensino Fundamental; enquanto a Mostratec tradicional olha para estudantes do Ensino Médio e Técnico.

Andar pelos vastos pavilhões da Mostratec, onde crianças correm e robôs deslizam pelos carpetes, é também apurar o ouvido para um sem fim de línguas que se comunicam para explicar projetos de um país para o outro. 

“Essa mescla de culturas faz com o que jovens aprendam a conviver com o diferente, com alguém que tem uma cultura, religião, sociedade outra. Isso traz uma grande riqueza. Depois que a feira termina essa gurizada fica amiga no mundo virtual. Quantas vezes já vimos alunos brasileiros que fizeram amigos ucranianos os visitarem em seu país de origem, e vice-versa!”

+Jovens brasileiros ganham prêmios em maior feira de ciências pré-universitária do mundo

No último dia, serão distribuídos 36 prêmios em diversas categorias. Estudantes cujos projetos são reconhecidos muitas vezes são convidados a outras competições: uma das ganhadoras da Mostratec 2018, Giovana Berti Mantovani, pode ir para a China mostrar seu trabalho sobre tratamento quimioterápicos.

Crianças e jovens pesquisam questões atuais, como o desaparecimento das abelhas / Crédito: Mostratec

Crianças e jovens pesquisam questões atuais, como o desaparecimento das abelhas / Crédito: Mostratec

*A repórter Cecília Garcia participa da Mostratec 2019 a convite da Fundação Liberato