Criar na cidade

Bumba Meu Boi do Maranhão é eleito Patrimônio Cultural da Humanidade

A tradicional celebração do Bumba Meu Boi do Maranhão agora é Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, título concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e divulgado nesta quarta-feira (11), em reunião, realizada em Bogotá, na Colômbia.

Leia+Festa junina no Maranhão: Bumba Meu Boi e saberes locais passados de geração para geração

“O Bumba Meu Boi maranhense constitui um complexo cultural que compreende uma variedade de estilos, multiplicidade de grupos e, principalmente, porque estabelece uma relação intrínseca entre a fé, a festa e a arte, fundamentada na devoção aos santos juninos, nas crenças em divindades de cultos de matriz africana e na cosmogonia e lendas da região”, diz nota da Unesco.

festa bumba-meu-boi

O tradicional Bumba Meu Boi no Maranhão / Crédito: Ministério do Turismo

A celebração agrega performances dramáticas, musicais e coreográficas, artesanatos, bordados do couro do boi, instrumentos musicais, entre outros elementos. A celebração envolve também a devoção a santos juninos, como São João, São Pedro e São Marçal, e cultos religiosos afro-brasileiros do Maranhão, como Tambor de Mina e Terecô. No Maranhão, são mais de 400 grupos na capital e em cerca de 75 municípios do estado.

A festa já havia sido escolhida como Patrimônio Cultural do Brasil, em 2011, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o mesmo que elaborou a candidatura da celebração na Unesco. Foram 429 expressões culturais inscritas na Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Unesco em 2019.

Saiba+: Câmara Cascudo e o folclore como ciência do povo

A entrada na lista da Unesco fortalece as ações já desenvolvidas pela comunidade e busca promover mais ações de educação patrimonial, realizar nova documentação, além de ampliar pesquisas e a valorização do bem cultural.

O Complexo Cultural do Bumba Meu Boi é o sexto bem brasileiro a integrar a lista internacional junto com a Arte Kusiwa – Pintura Corporal e Arte Gráfica Wajãpi (2003), o Samba de Roda no Recôncavo Baiano (2005), o Frevo: expressão artística do carnaval de Recife (2012), o Círio de Nossa Senhora de Nazaré (2013) e Roda de Capoeira (2014).

 

 

Com informações Agência Brasil