Criar na cidade

5 museus com programação de férias que abordam diversidade, patrimônio e território

De abril até julho de 2019, filas quilométricas serpentearam as pilastras do MASP (Museu de Arte de São Paulo) durante exposição da pintora modernista Tarsila do Amaral. Só no primeiro semestre do mesmo ano, mais de 500 mil visitantes estiveram no museu. 

Leia +: Museu social: Curadoria comunitária e preocupação com o presente. 

Em um levantamento com 40 museus brasileiros no primeiro semestre de 2019, o jornal G1 constatou um aumento de 61% no público do museus de arte e de história em relação à 2018. 

Fila no último dia da exposição sobre Tarsila do Amaral no MASP / Crédito: Roberto Parizotti.

Fila no último dia da exposição sobre Tarsila do Amaral no MASP / Crédito: Roberto Parizotti.

O acréscimo de público tem algumas causas diagnosticadas ainda na matéria do mesmo jornal: o aumento de representatividade nas exposições, com mostras abordando questões de gênero e de raça; crescimento de pertença com as instituições após o incêndio do Museu Nacional; e por fim, maior adesão das instituições às redes sociais.

O Portal Aprendiz listou 5 museus com programação de férias que olham para diversidade, cultura e arte espalhadas nos territórios brasileiros. 

Projeto “Carnaval, um Forte Patrimônio” – Museu da Cidade de Recife (PE)
Na capital onde não se pula, mas se brinca carnaval, o Museu da Cidade de Recife abre um projeto de férias para crianças e adolescentes explorarem os diferentes aspectos do carnaval. No dia 12, é realizada uma oficina de máscaras; já no dia 26, meninas e meninos podem criar estampas carnavalescas em camisetas. Não é preciso se inscrever e nem pagar, mas é recomendado chegar 30 minutos antes de cada atividade. 

Oficina de produção de estamparias de carnaval no Museu da Cidade de Recife (PE) / Crédito: Divulgação

Oficina de produção de estamparias de carnaval no Museu da Cidade de Recife (PE) / Crédito: Divulgação

Passeio “Histórias de Medo e a Lenda do Lobisomem” – SESC Guarulhos (SP)
Crianças de 0 a 12 anos são convidadas a conhecer Joanópolis, a capital brasileira com o maior número de avistamentos de lobisomem. Elas visitarão alguns sítios locais e uma cachoeira histórica. O passeio acontecerá na companhia do folclorista Valter Cassalho e da Cia Nóis da Mala, que fará intervenções artísticas durante o trajeto. 

Programação sobre povos originários – Museu Paranaense (PA)
O MUPA possui um sensível acervo de fotos, documentos e objetos das primeiras população indígenas a ocupar o Pará. A instituição preparou para as férias uma programação voltada ao público infantil que os leva por visitas mediadas, além de contação de histórias, brincadeiras indígenas e curiosidades sobre palavras de origem indígenas. É necessário se inscrever nas atividades. 

Visitas por uma área de floresta amazônica em zona urbana – Museu da Amazônia (MA)
Há seis anos, tombou um angelim-pedra, gigantesca árvore originária da floresta amazônica. Desde então, uma intensa flora e fauna se agrupou ao seu redor. O MUSA convida os visitantes a observarem essa totêmica árvore, além de andarem pelas trilhas que cortam um remanescente de floresta amazônica. O museu ainda conta com espaço dedicado às populações indígenas. 

Exposição “Rios em Movimento” – Museu da Vida (RJ)
Rios como o Velho Chico, rios Negro e Solimões fazem parte do imaginário brasileiro e são fonte de sobrevivência, cultura e história. A exposição Rios em Movimento traz obras do artista plástico Rodrigo Andriàn que misturam arte e ciência, mostrando questões urgentes da preservação desses corpos hídricos e como a água está em práticas artesãs, religiosas e outras atividades humanas.