Transformar a cidade

Coronavírus e transporte público em São Paulo

Uma das preocupações sobre a propagação do coronavírus para quem vive nas periferias é o que fazer com a necessidade de andar diariamente no transporte público.

Todos os dias, 3,2 milhões circulam na Grande São Paulo pelos trens da CPTM (Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos) e 5,2 milhões no Metrô. Outras 9 milhões de viagens são realizadas pelos ônibus da SPtrans, fora os usuários da EMTU. Em horários de pico, é inviável estar longe de uma aglomeração.

A Agência Mural procurou a CPTM, o Metrô e a EMTU para verificar se há orientações que ajudem no caso de quem passa pelos espaços das companhias.

O contato foi repassado para a assessoria da Secretaria de Transportes Metropolitanos. A única informação foi de que era necessário seguir as orientações informadas pela Secretaria de Saúde.

Em geral, a higienização é o principal ponto. É importante lavar as mãos assim que chegar em algum lugar após passar utilizar o transporte público.

pessoas dentro do trem da cptm de são paulo

Secretaria de Transportes Metropolitanos afirmou que orientação é a mesma da Secretaria de Saúde / Crédito: Léu Britto

No caso da SPtrans, que gerencia os serviços de ônibus da Prefeitura de São Paulo, a empresa divulgou um informativo nos coletivos. A mensagem tem como principal orientação para não cobrir uma tosse ou espirro com a mão, mas com a parte interna do braço.

Também pede para evitar tocar olhos, boca e nariz com as mãos; não compartilhar objetos e lavar as mãos com sabão ou álcool gel.

coordenadas dentro do panfleto da sptrans sobre o coronavírus

Informativo da SPTrans foi publicado no Jornal do Ônibus / Crédito: SPTrans

Sintomas

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. No entanto, o coronavírus (SARS-CoV-2) ainda passa por estudos e investigações para caracterizar melhor os sinais e sintomas da doença.

Até agora, os principais sintomas pela comunidade médica são parecidos a uma gripe, como febre, tosse e dificuldade para respirar.

pessoas na linha de trem de são paulo

5,2 milhões circulam pelo Metrô diariamente / Crédito: Léu Britto

Como se proteger

O Ministério da Saúde pensou em cuidados básicos para diminuir o risco geral de transmitir infecções respiratórias, incluindo o coronavírus.

Uma delas é lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os cinco momentos de higienização. Caso não tenha água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.

Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas, cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo, evitar contato próximo com pessoas doentes, Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência e em caso de doença ficar em casa são outras indicações.

Aos profissionais de saúde, estão precauções que incluem máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção.

 

*Matéria publicada originalmente na Agência Mural com o título “Com coronavírus, o que é possível fazer quando se anda todos os dias no transporte público?”. A autoria é de Lucas Veloso e Paulo Talarico.