Criar na cidade

3 filmes e uma série para discutir racismo estrutural na educação

Os protestos antirracistas que vêm tomando o mundo denunciam como o preconceito racial permanece arraigado em nossa sociedade. Das práticas sutis aos casos exacerbados, a verdade é que o racismo estrutural se manifesta também na escola.

Matéria publicada originalmente no Movimento de Inovação na Educação. A autoria é de Thais Paiva.

Para que este cenário se extingua, é essencial que a questão racial deixe de ser abordada apenas de modo circunstancial, como no Dia da Consciência Negra, e seja efetivamente integrada aos currículos de acordo com que preconiza a Lei 10.639.

Abaixo, selecionamos algumas produções audiovisuais que ajudam a refletir sobre este tema e buscar caminhos para seu enfrentamento.

O ódio que você semeia (2008)

O filme conta a história de uma adolescente negra de 17 anos que mora em um bairro periférico majoritariamente negro, porém estuda em uma escola de elite onde a maioria dos alunos é branca. Dividida entre estes dois contextos, sua vida muda após presenciar o assassinato de seu melhor amigo por um policial branco. Baseado no livro homônimo da autora norte-americana Angie Thomas, O ódio que você semeia promove uma discussão que, infelizmente, não deixa de ser atual.

frame do filme o ódio que você semeia

Frame do filme ‘O ódio que você semeia’

Cara gente branca

Ambientada nos Estados Unidos, a série do Netflix retrata como estudantes negros de uma importante universidade, cuja maioria dos alunos é branca, lidam com o racismo no ambiente acadêmico. Os episódios abordam questões como estigmas, colorismo, relacionamentos interraciais, entre outros. A série já conta com três temporadas e possui mais uma aprovada para produção.

a protagonista sam da série cara gente branca

A protagonista Sam White da série Cara Gente Branca, disponível no Netflix

Entre os muros da escola (2008)

O filme francês narra a história de um professor de língua francesa que passa a trabalhar em uma escola de Ensino Médio na periferia de Paris, lidando com alunos de diversas origens culturais. A tensão entre os estudantes e a conduta tradicional exigida pela escola – que ignora a maior parte de suas vivências  – levam a conflitos e ao descaso com as aulas por parte dos jovens. Além do racismo, o filme discute temas como preconceito linguístico, meritocracia, disciplina e avaliação.

Frame do filme francês Entre os Muros da Escola

Frame do filme francês Entre os Muros da Escola

Alguém falou de racismo (2002)

A produção brasileira dirigida por Daniel Caetano combina trechos de ficção com documentário para relatar a história de um professor que decide provocar seus estudantes a pensar sobre o racismo estrutural presente na escola e na sociedade, de forma mais ampla. O filme está disponível no Youtube em duas partes.

filme brasileiro alguém falou de racismo

Filme brasileiro está disponível no youtube