Extinção de municípios: proposta deveria olhar especificidades identitárias e culturais

Especialista vê como rasa PEC que propõe extinção de municípios: proposta não pode considerar só saúde financeira das cidades, mas também seu valor identitário.

As 5 matérias mais lidas no Portal Aprendiz em 2019

Com a proximidade de 2020, é chegada a hora de rever os acontecimentos que marcaram este ano. Com vocês as matérias mais lidas e debatidas em 2019.

Ato em Paraisópolis (SP) exalta cultura e educação contra perseguição ao funk

Movimentos culturais locais e lideranças comunitárias protestaram com música e cultura contra a violência em Paraisópolis (SP).

Edital vai doar R$ 800 mil para impulsionar defesa de direitos pelo país

Com o título “Resistência”, Edital do Fundo Brasil vai destinar até R$ 40 mil para executar sua proposta de mobilização e luta popular.

Campanha reforça a importância das organizações para a garantia dos direitos humanos

Campanha #SomosTodosONG busca mobilizar brasileiros para a importância da sociedade civil na promoção e defesa dos direitos humanos e ambientais

“Funk é questão de cultura, não de segurança pública”

Episódio em Paraisópolis (SP) mostra como a perseguição ao funk é também uma violência às culturas negras e periféricas brasileiras.

Escola em São Paulo leva slam e poesia para dentro da sala de aula

Slam Altino – Ninguém Cala nosso grito! leva a linguagem da poesia para dentro da escola, trabalhando autoestima e pensamento crítico.

Ameaçado de fechar, Aparelha Luzia lança campanha de financiamento coletivo

Centro cultural Aparelha Luzia tem campanha de financiamento coletivo para reformar estrutura e impedir o fechamento por conta de reclamações de barulho.

Organizações sociais se reúnem para acompanhar apuração de mortes em Paraisópolis (SP)

Sociedade civil, movimentos sociais e autoridades se reuniram no Condepe, para acompanhar apurações do Massacre de Paraisópolis (SP)

Violência contra mulheres trans e travestis começa em casa, mas segue em outros espaços

Dados do Ministério da Saúde mostram que 49% das agressões ocorrem dentro da residência das vítimas; ausência de políticas públicas e omissão do Legislativo tornam grupo ainda mais vulnerável