Aprender na cidade

Periferia de São Paulo recebe a sua primeira Semana do Brincar

Em 1993, Mano Brown já observava: A molecada lá da área como é que tá / Provavelmente correndo pra lá e pra cá / Jogando bola, descalços nas ruas de terra / É, brincam do jeito que dá (Fim de Semana no Parque, do álbum Raio-X do Brasil, Racionais MCs).

Vinte e dois anos depois, será realizada a Primeira Semana do Brincar na Periferia, entre os dias 22 e 26/9, justamente no Parque Santo Antônio – um dos lugares citados no rap do grupo paulistano. Totalmente aberto e gratuito, o evento contará com debates, rodas de conversa, cinema, teatro, intervenções culturais e oficinas que pretendem elucidar a importância do brincar livre para o desenvolvimento das infâncias na periferia de São Paulo.

O que diferencia a brincadeira de crianças que vivem nos extremos da cidade? Essa é uma das respostas que os organizadores do evento gostariam de responder. “A ideia é encontrar uma especificidade da região para potencializar a nossa brincadeira. Trocar experiências com pessoas de outros lugares, que vivem diferentes realidades, pode ser uma maneira de atingir isso”, afirma Thiago Fermino, educador que faz parte do projeto Aqui que a gente brinca, que vem transformado o espaço do Sacolão das Artes em referência de cultura lúdica na zona sul paulistana.

O evento contará com debates, rodas de conversa e intervenções culturais que abordam a importância do brincar livre para o desenvolvimento da infância.

Parque Santo Antonio, zona sul de São Paulo.

Divulgação

O educador, no entanto, não deixa de citar algumas diferenças no modo de brincar das crianças que vivem nas bordas da cidade. “A brincadeira aqui tem suas características, que vão desde o desenvolvimento físico, da movimentação, da relação com as famílias, até o espaço físico, que oferece outras oportunidades de brincar, se comparado à centros economicamente mais favoráveis. Tudo isso impacta no desenvolvimento da criança.”

Os educadores do Aqui que a gente brinca cresceram no Parque Santo Antônio e sempre brincaram por ali. De acordo com Thiago, o coletivo sentiu a necessidade de uma formação mais aprofundada sobre o tema não apenas para eles, mas também para outros grupos com trabalhos semelhantes na região.

O evento contará com debates, rodas de conversa e intervenções culturais que abordam a importância do brincar livre para o desenvolvimento da infância.

“Brincar é revolucionário”.

cassimano

Thiago considera a brincadeira revolucionária. “Pode transformar tanto a pessoa que está brincando como quem está em volta dela. As pessoas só deixam de dar valor à brincadeira pela falta de oportunidade.” E isso, acredita, está diretamente ligado à falta de espaços públicos onde o ato de brincar possa acontecer livremente, com segurança e higiene garantidas.

Os educadores do Parque Santo Antônio também projetam a realização de intervenções na rua, “demarcando espaços para que as crianças brinquem fora das dependências do Sacolão”.

Confira a programação completa do evento.

Serviço
Primeira Semana do Brincar na Periferia
Data:
de 22 a 26/9
Local: Sacolão das Artes (Avenida Cândido José Xavier, 577 – Parque Santo Antonio – São Paulo/SP)
O evento é aberto e gratuito